10 principais características da religião no Egito Antigo

A religião egípcia era uma fusão de crenças e práticas que hoje em dia, incluiria magia, mitologia, ciência, medicina, psiquiatria, espiritualismo, herbologia, assim como a moderna compreensão da religião vista como uma crença em um poder superior e uma vida depois da morte.

A religião teria desempenhado um papel importante em todas as facetas da vida dos antigos egípcios, visto que a vida na Terra era vista apenas como parte de uma jornada eterna que iria continuar depois da morte.

10. Politeísta

Politeísta-religão-antigo
Religião – Cultura Mix

Os egípcios acreditavam em um panteão de deuses, envolvidos em todos os aspectos da natureza e da sociedade humana. Politeísta este sistema era muito complexo, pois acreditava-se que algumas divindades existiam em muitas manifestações diferentes. Onde alguns tinham múltiplos papeis mitológicos.

Muitas forças naturais, como o sol estavam associadas a várias divindades. Este panteão diversificado variou de deuses com papeis vitais no universo para divindades menores ou “demônios “com funções muito limitadas.

As representações dos deuses na arte não eram representações literais de como os deuses poderiam aparecer se fossem visíveis, já que eles acreditavam que as verdadeiras naturezas dos deuses eram misteriosas.

9. Cosmologia

Cosmologia-religão-egipcia-antiga
Cristiana Serra – WordPress

A concepção egípcia sobre o universo se centrava em Maat, uma palavra que engloba vários conceitos, incluindo “verdade”, “justiça” e “ordem”. Na religião do Egito Antigo, Maat estava constantemente sob ameaça das forças da desordem, então toda sociedade era obrigada a mantê-lo.

No nível humano significava que todos os membros da sociedade deveriam cooperar e coexistir, no nível cósmico. Significava também que todas as forças da natureza – os deuses deviam continuar a funcionar em equilíbrio.

Os egípcios então procuravam manter Maat nos cosmos sustentando os deuses através de oferendas e realizando rituais que evitavam a desordem e perpetuavam os ciclos da natureza.

8. Faraó

Faraó-religião-egito-antigo
Historia Zine

Assunto que há muito tempo é debatido pelos egiptólogos é o grau em que o faraó era considerado um deus. Mas ao que parece os egípcios consideravam a própria autoridade real como uma força divina.

Mesmo que reconhecendo que o faraó era humano e sujeito a fraqueza humana, eles simultaneamente o viam como um deus, pois achavam que o poder divino estava encarnado nele.

O faraó então atuava como um intermediário entre o povo do Egito e os deuses. Sendo que foi fundamental para defender Maat. Para manter a justiça e a harmonia na sociedade humana quanto por sustentar os deuses com templos e ofertas.

7. Vida depois da morte

 Vida depois da morte-religião-egito-antigo
História do mundo

Sobre a vida depois da morte os egípcios tinham uma crença bem elaborada. Para eles os humanos possuíam um ka, ou força vital, que deixava o corpo no ponto de morte. Em que na vida o ka recebia seu sustento da comida e bebida.

Acreditava-se então que para resistir após a morte, o ka deveria continuar a receber oferendas de comida, onde a essência espiritual poderia consumir. Cada pessoa também tinha um ba, o conjunto de caraterísticas espirituais únicas de cada indivíduo.

Ao contrário do ka, o ba permanecia ligado ao corpo após a morte. Rituais funerários egípcios tinham o objetivo de liberar o ba do corpo para que ele pudesse se mover livremente. Em que ia juntar com o ka para que ele pudesse viver com um akh.

6. Mitologia

Mitologia-egipcia
Arcanoteca

Mitos egípcios eram histórias metafóricas destinadas a ilustrar e explicar as ações e os papéis dos deuses na natureza. Os detalhes dos eventos que eles relataram poderiam mudar para transmitir diferentes perspectivas simbólicas sobre os misteriosos eventos divinos que descreveram, tantos mitos existem em versões diferentes e conflitantes.

Narrativas míticas raramente foram escritas em íntegra, e mais frequentemente, os textos contém apenas episódios ou alusões a um mito maior.

O conhecimento da mitologia egípcia, portanto, é derivado principalmente de hinos que detalham os papéis de divindades específicas. Onde textos com rituais e mágicos descrevem ações relacionadas a eventos míticos e de textos funerários que mencionavam os papéis de muitas divindades na vida após a morte.

5. Textos e rituais mágicos

Textos e rituais mágicos-egito-antigo
Arqueologia Egípcia

Escritos em papiros frequentemente os procedimentos para rituais religiosos, eram usados como instruções para aqueles que realizavam o ritual. Textos estes eram mantidos na maioria das vezes nas bibliotecas do templo.

Os textos mágicos descrevem rituais que eram parte dos feitiços usados para objetivos específicos na vida cotidiana. Apesar do seu propósito mundano, muitos desses textos também se originaram em bibliotecas do templo e depois se disseminaram entre a população em geral.

4. Hinos e orações

 Hinos e orações-Egito-antigo

Os egípcios antigos criaram numerosas orações e hinos, que eram escritos em forma de poesia. Estes hinos e orações seguiam uma estrutura semelhante e são distinguidos principalmente pelos propósitos que servem. Os hinos era escritos para louvar divindades específicas.

Como textos de rituais, eles foram escritos em papiros e nas paredes do templo. Eles provavelmente foram recitados como parte dos rituais que eles acompanhavam nas inscrições do templo.

3. Textos funerários

Textos-funerários-egito-antigo
Wikipedia

Entre os muitos textos escritos pelos antigos, os que foram mais preservados foram os textos funerários destinados a assegurar que as almas falecidas alcançassem uma vida agradável depois da morte.

Os primeiros textos são os textos da pirâmide, estes são uma coleção de centenas de feitiços inscritos nas paredes das pirâmides reais durante o Antigo Império Egípcio. Serviam para fornecer magicamente aos faraós os meios para se juntarem a companhia dos deuses na vida após a morte.

2. Templo

Templo-egito-antigo
Descobrir Egipto Viagens

Os templos sempre existiram na história egípcia, e no auge da civilização, estavam presentes na maioria de suas cidades. Eles incluíam ambos os templos mortuários para servir aos espíritos dos faraós e templos falecidos dedicados aos deuses patronos.

Embora a distinção fosse obscurecida porque a divindade e o reinado estavam tão intimamente ligados.

Os templos não eram primariamente planejados como lugares de adoração pela população em geral, e as pessoas comuns tinham um complexo conjunto de práticas religiosas próprias. Em vez disso, os templos estatais serviam como casas para os deuses, nos quais imagens físicas que serviam como intermediárias eram cuidadas e providas de oferendas.

1. Oráculos

Oráculos-egito-antigo
Astrocentro

Os egípcios usavam oráculos para pedir aos deuses conhecimento e orientação. Pessoas de todas as classes, incluindo o faraó, faziam perguntas sobre oráculos e, especialmente no final do Novo Império Egípcio. Suas respostas poderiam ser usadas para resolver disputas legais ou informar decisões reais.

O meio mais comum de consultar um oráculo era colocar uma questão a imagem divina enquanto ela estava sendo carregada em uma procissão festiva e interpretar uma resposta dos movimentos da barca.

Outros métodos incluíam interpretar o comportamento de animais de culto, sorteio ou consultar estátuas através das quais um sacerdote aparentemente falava.

COMPARTILHAR