11 obras de Machado de Assis que precisas conhecer

Joaquim Maria Machado de Assis, foi um dos maiores nomes da literatura brasileira. O escritor brasileiro, é conhecido por ter produzido obras de todos os gêneros literários. Ele foi poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário.

O autor também é muito conhecido por ter dado início ao realismo no Brasil e foi fundador e presidente da Academia Brasileira de Letras. Conheça as principais obras de Machado de Assis.

11. Crisálidas

Crisálidas

Publicado em 1864, este foi o primeiro livro de poesia do escritor brasileiro. Escrito quando Machado de Assis tinha 25 anos, esta obra contava inicialmente com 29 poemas. Em 1901, cortou 17 dos poemas do livro, quando editou Poesias Completas.

Os poemas sobreviventes incluem os versos a Corina, em que ele dedicou a sua primeira musa, cuja identidade não é revelada. De acordo com os estudiosos da obra do escritor, a musa não se trata de uma pessoa real.

10. Esaú e Jacó

 Esaú-e-Jaccó

Esta obra foi lançada quatro anos antes da morte de Machado de Assis e é seu penúltimo livro. A obra caracteriza-se por consolidar sua maestria no domínio da narrativa. O escritor então despoja-se da excentricidade ocasional resquícios do picaresco.

Num realismo que retoma a melancolia e o lirismo que se iniciara na primeira faze de sua produção literária.

9. Memorial de Aires

memorial-de-aires

Publicado no mesmo ano de sua morte, este é o último romance do escritor brasileiro. A obra está organizada como uma série de entradas em um diário e não possui um enredo único. Apesar da ausência de um enredo, possui vários episódios e anedotas que se interpermeiam.

O livro é uma possível continuação do romance Esaú e Jacob, que vimos anteriormente.

8. Helena

helena-

Pertencente a primeira fase da carreira do autor, este livro foi lançado em 1876. Considerada romântica, esta obra é dividida em 28 capítulos. Fazendo duras críticas à sociedade do século XIX, quando foi publicado pela primeira vez, foi em formato de folhetim.

Tendo como cenário tradicional o bairro do Andaraí, no Rio de Janeiro, a obra é narrada por Machado de Assis na terceira pessoa.

7. A Mão e a Luva

A-Mão-e-a-Luva

A Mão e a Luva é segunda obra do autor e foi publicada em 1874. Ela então foi fruto de sua primeira experiência como folhetinista de um jornal. Machado de Assis seguiu o exemplo de seus amigos Manuel Antônio de Almeida e José de Alencar.

Enquadrando na faze romântica do autor, o livro é sobre uma história de amor de uma mulher de uma personalidade forte, Guiomar, que é assediada por três homens que desejam casar com ela.

6. Iaiá Garcia

Iaiá-Garcia

Orginalmente publicado na forma de folhetim do jornal O Cruzeiro. A obra publicada em 1878, é o último romance da fase romântica de Machado de Assis. Permanecendo fiel a tradição romântica, tem como temas a família, o amor e o casamento.

Nos elementos da trama estão o amor frustrado e o sacrifício para esquecê-lo, o casamento por conveniência, o primeiro amor, o triângulo amoroso e a intriga.

5. Ressureição

Ressureição

Sendo o primeiro romance de Machado de Assis, lançado em 1872, trata-se de um romance psicológico. Apesar de ser da primeira fase romântica do autor, o seu romantismo é contido, sem os excessos sentimentais, reviravoltas na trama e um final feliz tipicamente de um folhetim romântico.

4. O Alienista

o-alienista

Esta celebre obra humorística de Machado de Assis, foi publicada em 1882. É tido por muitos como um conto, mas a maioria dos críticos e especialistas o consideram uma novela por causa da sua estrutura narrativa.

O livro narra a história de um home chamado Dr. Bacamarte que era muito convencido. Ele então se casa com uma mulher, pois pensa que esta teria as caraterísticas ideais para conceder-lhe um herdeiro.

Com dificuldades em conceber um filho, ele então embarca em estudos aprofundados sobre a loucura, assim cria uma Casa Verde, uma espécie de manicômio.

3. Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias-Póstumas-de-Brás-Cubas

Desenvolvido inicialmente como folhetim, este romance do autor brasileiro, foi publicado pela primeira vez em 1881, na Revista Brasileira. A obra possui um tom cáustico e um estilo novo de Machado de Assis.

Possui também uma audácia e inovação temática, a obra é o maior clássico da literatura realista da língua portuguesa. O livro marcou o início do realismo no Brasil e serviu de divisão da fase mais madura e mais qualificada de Machado de Assis.

2. Dom Casmurro

Dom-Casmurro

Considerado pela crítica como o terceiro romance da “Trilogia Realista”, do autor, foi lançado em 1899. A Obra é composta por 148 capítulos, na sua maioria curtos. Não possuindo um enredo dinâmico sua narrativa é interrompida a todo momento por pensamentos ou lembranças do escritor.

Com uma narração em primeira pessoa feita por Bento Santiago, que conta a trama de sua vida. O livro é uma pseudo-biografia de um homem idoso que preenche sua solidão com lembranças do passado.

1. Quincas Borba

Quincas-Borba

Mas uma obra que foi desenvolvida em forma de folhetim, foi publicada em 1891. A crítica considera, o livro como segundo da trilogia realista do escritor. Na obra o autor utilizou o pessimismo e a ironia para criticar os costumes e a filosofia de seu tempo.

Ao contrário do livro anterior, Quincas Borba, foi escrito na terceira pessoa e conta a história de Rubião. Este é um garoto que torna-se discípulo e herdeiro do filósofo Quincas Borba personagem do romance anterior.

 

 

 

COMPARTILHAR